A sexualidade é uma energia

É quase impossível pensarmos em evoluir se estamos tão presos a dogmas radicais. Por esse motivo, alguns dos posts – como este – vão abordar aspectos religiosos não com o objetivo de confrontar crenças individuais de cada um, mas pra oferecer uma outra visão sobre um mesmo tema.

Vamos ao que interessa! Quero aproveitar o gancho de um casal de amigos, que compartilhou o vídeo que inspira esse post, onde fala sobre a visão espírita da sexualidade.

O que ocorre é que se faz uma confusão, tentando colocar a homossexualidade e a heterossexualidade em pólos distintos, como sendo o certo ou o errado, o nobre ou o promíscuo. O fato de me dizer heterossexual, não me faz uma pessoa boa, uma pessoal ‘normal’, o fato de me dizer homossexual, não me faz uma pessoa má, ‘anormal’, imoral. O ser humano não é homem ou mulher, ele está na espécie humana em um corpo de homem ou de mulher, então para que criar um aspecto discriminatório, para aquilo que é transitório – ou seja, o corpo físico? É um tema que demanda um despreendimento muito grande para transcender do corpo e atingir ao espírito, este tema, no futuro, não será mais um tema, será uma compreensão.

Como sabemos, os homossexuais sofrem o estigma de “errados” e “inferiores”, algo muito similar ao que aconteceu com mulheres e negros durante um longo período de nossa história. Com argumentos de “gays não reproduzem”, “o homem foi feito para a mulher” (e vice-versa), “isso é doença” (algo que a Organização Mundial de Saúde já negou em 17 de Maio de 1990), homossexuais são constantemente perseguidos por pessoas extremamente conservadoras ou pouco esclarecidas, além de religiosos radicais com a acusação de “isso é pecado”*.

A primeira parte do vídeo – que você pode conferir lá no comecinho do post -, traz a visão Espírita sobre o assunto e de uma forma bem diferente do que outras vertentes religiosas apresentam. Tire suas armas, pré-conceitos e ouça de coração aberto o que Simão Pedro, da Federação Espírita Brasileira, tem a dizer; você pode se surpreender.

E não esqueçam: se não lembrarmos da nossa história, vamos repeti-la. Ainda há tempo de mudar! Vamos juntos trabalhar o respeito, a tolerância e a compaixão pela diversidade e individualidade de cada um?

*Como disse, não vou questionar a crença individual de cada um, mas a Bíblia (enraizada na cultura ocidental e base para as religiões Cristãs), é um livro que requer muito estudo pois, se de fato foi escrita, deve-se avaliar o contexto histórico e a linguagem da época, bem como as milhares de traduções e adaptações até os dias de hoje.